Gestão Ambiental

Confira abaixo a importância da Gestão Ambiental

Doenças Respiratórias, alergias crônicas, infecções no trago digestivo, má formação fetal, morte da fauna e flora, enchentes… E mais importante essas são apenas algumas das consequências que o descarte de resíduos feito de maneira inapropriada têm causado na nossa sociedade como um todo, e é por compreender esse assustador fato, que a Acqua, assessorada pela sua junta de engenheiros e técnicos especializados na área busca através das nossas gestões ambientais de ponta, promover um efetivo e adequado desenvolvimento sustentável.

Por tanto acompanhamos o resíduo desde a sua coleta até sua destinação final, fazendo levantamentos constantes sobre a produção de resíduos de cada empresa conveniada a nossa empresa, possibilitando a nós e as empresas uma melhor administração e desenvolvimento socioambiental.

Gestão Ambiental não é apenas um gasto que entra no seu livro contábil, é consciência e amor pela vida.

Aspectos Legais

Assim como a Acqua, diante de tantos acontecimentos, o governo passou a compreender que uma adequada gestão ambiental não era apenas uma questão politicamente correta, mas também de saúde pública.

Com isso, lança mão da Política Nacional de Resíduos Sólidos, estabelecida pela Lei Federal 12.305/2010 e a Política Estadual de Resíduos Sólidos (PERS), consignada na Lei Estadual 12.300/2006 rigorosa que se adequá ao nosso sistema de produção para alcançar uma maior produtividade sem a necessidade de prejudicar ainda mais o meio ambiente, além dessa duas políticas existem outros mecanismos que foram criados para o controle adequado da gestão ambiental, como por exemplo o CADRI.

Dessa maneira, a Acqua assessora da maneira mais eficiente e adequada as empresas que se encontram sob sua supervisão a se adaptarem a essas regulamentações, diminuindo os riscos ambientais, otimizando o descarte, diminuído a produção de resíduos, e além de tudo, transformando a sua empresa em um modelo de confiança e credibilidade que essa nova fase do mercado demanda.

Solicite seu Orçamento

Entre em contato conosco e solicite um orçamento, nós estamos sempre disponíveis para nossos clientes.

Destinação

Aterro

Aterro sanitário é um processo utilizado para o descarte de resíduos sólidos no solo, particularmente lixo domiciliar, por tanto é fundamentado em critérios de engenharia e normas ambientais específicas, permite um acondicionamento seguro, em termos de controle de poluição ambiental e proteção da saúde pública.

Co-Processamento

O Co-Processamento é amplamente empregado nos países de 1º mundo há quase 40 anos, ele vem sendo utilizado no Brasil desde o início da década de 90. A solução usa resíduos em substituição parcial ao combustível que alimenta a chama do forno que transforma calcário e argila em clínquer, esta que é a matéria-prima do cimento. E o mais importante a queima se realiza em condições estritamente controladas, dentro do marco regulador existente, além disso estando de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos aprovada em 2010.

A alta temperatura da chama, o tempo de residência dos gases, a turbulência no interior do forno e vários outros parâmetros da combustão na produção de cimento são ideais e até superiores aos padrões exigidos para a destruição ambientalmente segura de resíduos perigosos.

Reciclagem

A Reciclagem é a recuperação da parte reutilizável dos dejetos do sistema de produção ou de consumo, por tanto reintroduzindo-os no ciclo de produção ao qual eles provêm, como o do papel, do vidro, da água, entre outros.

Incineração

Incineração é a queima do lixo em fornos e usinas próprias. Apresenta a vantagem de reduzir bastante o volume de resíduos. Além disso, destrói os microrganismos que causam doenças, contidos principalmente no lixo hospitalar e industrial.

Benefícios:

  • Destruição térmica de Resíduos.
  • Caldeiras de recuperação de calor para recuperar o calor e convertê-lo em vapor utilizável.
  • Sistema de controle integrado para operação e registros seguros e confiáveis.

Resíduos

Resíduo Classe I – Perigoso

Extremamente perigosos porque os resíduos dessa classe são aqueles caracterizados por suas propriedades físico-químicas e infectocontagiosas, e além disso representam um grande risco a saúde pública se não descartados adequadamente, certamente causarão males ao meio ambiente.

Assim sendo dessa maneira, a Acqua compreende a necessidade de uma administração mais intensa e organizada em relação a esses resíduos e consequentemente orienta da melhor maneira possível as empresas geradoras dessa classe de resíduos, como resultado evitando acidentes que podem comprometer o ambiente, a saúde da população e a credibilidade da empresa conveniada.

Por tanto se encaixam nessa classificação resíduos de características patogênicas, corrosivas, tóxicas, reativas e inflamáveis.

Resíduo Classe II – A Não Inertes

São também as matérias orgânicas, assim como papeis, vidros e metais que até podem ser dispostos em aterros sanitários mas que certamente o mais indicado é a reciclagem, evidentemente dependendo sempre da avaliação feita pela nossa empresa.

Além disso como exemplo, podemos citar outros materiais orgânicos da indústria alimentícia, lamas de sistemas de tratamento de águas, limalha de ferro, poliuretano, fibras de vidro, resíduos provenientes de limpeza de caldeiras e lodos provenientes de filtros, EPI’s (uniformes e botas de borracha) pó de polimento, varreduras, polietileno e embalagens, prensas, vidros (para-brisa), gessos, discos de corte, rebolos, lixas dentre muitos outros.

Resíduo Classe II – B Inertes

Finalmente os materiais como sucata de ferro e aço ou entulho, pela razão que são classificados como inertes devido ao fato de não sofrerem alteração alguma em sua composição com passar do tempo. São normalmente descartados em aterros sanitários ou reciclados, dependendo sempre da avaliação feita pela nossa empresa.

Certamente a construção civil e uma das grandes geradoras desse tipo de resíduo que consequentemente também são matéria-prima de qualidade para agregados, como areia e brita, que podem ser reaproveitados na pavimentação, contenção de encostas, canalização de córregos e uso em argamassas e concreto. Consequentemente para as construtoras e prefeituras, significa também redução nas despesas e área nos aterros para receber esses entulhos.